Corpo Docente

Violino

Ana Rita Gonçalves

Nasceu em Lisboa, em 1981. Aos 6 anos de idade ingressou na Academia de Música de Santa Cecília, onde completou o 8º Grau de Violino sob a orientação do professor Vasco Brôco.
É licenciada em Violino pela Escola Superior de Música de Lisboa, onde integrou a classe do professor António Anjos. Participou em diversas Masterclasses com professores como Jiri Tomacek, Gerardo Ribeiro, Boris Kuniev, Alexander Trostiansky e Ulf Hoelscher.
Participou nos estágios de Verão da Orquestra Portuguesa das Escolas de Música de 1998 a 2000. No ano de 1999 passou a integrar a Orquestra Sinfónica Juvenil, sob a direcção dos maestros Roberto Perez e Christopher Bochmann, onde foi concertino auxiliar.
Em 2005, a convite do quarteto de Cordas São Roque, apresentou-se em Cork, Irlanda – Capital Europeia da Cultura. No mesmo ano adquire parte valiosa da sua formação docente com a professora Betty-Haag, em Chicago. Como instrumentista convidada, já tocou com a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra do Norte, e com a Lisbon Film Orchestra.
Desde 2005 dedica-se, quase em exclusividade, ao ensino da música, mantendo actividade residual como instrumentista free-lancer.
Procurando sempre familiarizar-se com pedagogias inovadoras através de formação contínua, entre 2014 e 2016, teve oportunidade de partilhar e actualizar os seus conhecimentos junto dos professores Alf Richard Kraggerud, Sygin Fossnes, Grete Rasmussen, Stephan Barratt-Due, entre outros, ao abrigo de um protocolo entre a Academia de Música de Lisboa e o Barratt-Due Institute (Oslo).
Como professora da Academia, para além de leccionar violino e classe de conjunto, tem assumido outros projectos (Orquestra de Cordas Verney, de 2008 a 2013, colaboração na organização de workshops, estágios, etc.) e conta já com vários alunos premiados em concursos nacionais e internacionais realizados em Portugal. Noutro registo pedagógico, tem colaborado também com o projecto Flauta Mágica (música para bebés).
Para além da sua formação artística, é também licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras de Lisboa e tem o mestrado em Gestão Cultural no ISCTE-IUL.
Leitura Musical e Formação Musical

António Laertes

António Laertes foi aluno de Piano da classe de Maria Adelaide Rosado Pinto. Prosseguiu os seus estudos musicais na Escola Superior de Música de Lisboa, licenciando-se em Composição e, mais tarde, em Formação Musical. Concluiu em 2010 o Curso de Profissionalização em Serviço e em 2015 o Mestrado em Música na especialidade de Composição, na Universidade de Évora, sob a orientação do Prof. Doutor Christopher Bochmann.
António Laertes tem desempenhado uma intensa actividade como acompanhador, sendo, desde 1994 organista titular da Sé Catedral de Setúbal, desde 2000, acompanhador d’Os Violinhos”, desde 2015, pianista acompanhador do Coro de Santo Amaro de Oeiras e desde 2018 pianista acompanhador do Coro de Câmara de Cascais.
Da actividade artística como compositor e arranjador destacam-se as obras “A Viagem de Sofia”; “Reflexos de um Livro” para Quarteto de Cordas; “Intervalando I a V” para Ensemble multi-instrumental; “Salinas” para Orquestra de Cordas, obra estreada pela Sinfonietta de Lisboa e pela Camerata do FMS dirigidas pelo Maestro Vasco Pearce de Azevedo e “Jangada de Pedra” para Coro, a partir do romance homónimo de José Saramago, obra estreada na Igreja do Mosteiro de Jesus em Setúbal, pelo Coro da Fundação Calouste Gulbenkian dirigidos pelo Maestro Paulo Lourenço. Em 2018 a Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida pelo Maestro Nuno Coelho estreou a peça “Abertura a Pátria” num concerto integrado na 8ª Edição do Festival de Música de Setúbal.
Venceu, em 2017, o 3º Prémio no 4º Concurso de Composição de Canções para Crianças promovido pela APEM.
Violino

António Martelo

António José de Sousa Ferreira Martelo, nasceu em Luanda, em 1972.
Iniciou os seus estudos musicais aos 9 anos na Escola de Música do Conservatório Nacional, tendo terminado o Curso de Violino em 1993 com a classificação de 16 valores, na classe do professor Manuel Gomes.
Posteriormente, foi admitido na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do Professor António Anjos, tendo concluído, em 1996, o Bacharelato em Violino e, em 1999, a Licenciatura em Violino, com a classificação de 17 valores. Em 1995, através de uma bolsa do programa de intercâmbio de jovens na Europa (ERASMUS), frequentou a Escola Superior de Música de Malmö (Suécia), na classe do Professor Alexander Fischer.
Integrou a Orquestra Sinfónica Juvenil (1990-1996), com a qual se apresentou a solo em diversas ocasiões. Com este agrupamento, participou em estágios no país e no estrangeiro, destacando-se a participação num estágio de aperfeiçoamento em Hortos (Grécia), a convite da UNESCO. Fez parte da Orquestra da Juventude Musical Portuguesa desde o seu início e, em 1992, integrando o agrupamento musicalColegium Musicum, fez parte da Orquestra de Jovens da Renania Westfalia (Alemanha) e integrou o quinteto de cordas com piano, sob a direcção do Maestro Fernando Eldoro.
Em 1999, foi o representante Português a integrar a Erasmus Chamber Orchestra, sob a direcção do violinista Charles-André Linale.
Actualmente, integra a Orquestra Sinfonietta de Lisboa e colabora frequentemente com a Orquestra da Camara de Cascais e Oeiras. Foi membro fundador do Quarteto de Cordas “São Roque”, com o qual actuou por todo o país e no estrangeiro (Irlanda, Luxemburgo, Andorra, Inglaterra, México).
Frequentou diversos cursos de aperfeiçoamento do Professor Gerardo Ribeiro, tendo participado, em 1997, num período de aulas na classe deste Professor na Northwestern University, em Chicago (Estados Unidos).
Enquanto docente, leccionou no Conservatório Regional de Castelo Branco (1996 a 2002), na Escola Profissional de Artes da Beira Interior (1999 a 2005) e na Escola de Música do Conservatório Nacional (2002 a 2008). Como resultado da sua actividade docente, destaca-se a participação de um grupo de alunos no Concurso “Prémio Jovens Músicos” (Edição de 2005), o qual foi laureado com o 1º Prémio de Música de Câmara – Nível Médio.
Em 2010, concluiu o Curso de Profissionalização para Docentes na Universidade Aberta de Lisboa, e frequentou um Curso de Aperfeiçoamento no Método Suzuki em Chicago, com a Professora Betty Haag.
É Professor de Violino na Academia de Música de Lisboa desde o ano lectivo 2008/2009.
Música para bebés e Expressão Musical

Cláudia Coelho

Iniciou os estudos musicais aos 7 anos, estudando flauta na Academia dos Amadores de Música e na Escola do Conservatório Nacional. Frequentou também aulas de canto com os professores Natália Brito e Diogo Pinto. Como flautista colabora com diversas orquestras e projetos musicais.
Desde 2004 que se dedica ao mundo da música para bebés e da iniciação musical. Em 2006 frequenta o curso de Edwin Gordon, na Fundação Calouste Gulbenkian. Em 2008, parte para Michigan, nos E.U.A., para frequentar um curso intensivo na reputada escola The Gordon Institute for Music Learning, no âmbito da “Early Childhood Music”. Desde então que ensina alunos de palmo-e-meio, sendo também professora de flauta transversal e de bisel.
Em 2016 decide ampliar o projeto Flauta Mágica criando uma equipa com 7 professores que lecionam sob a sua formação contínua e orientação.
Vê na música o despertar de todos os sentidos e o aglutinar de todas as emoções, por isso, faz regularmente workshops com crianças, pais e bebés, e agora também com as futuras mães.
Violino e Música de câmara

Cristina Almeida

Iniciou os seus estudos musicais na Escola Profissional de Música de Évora, onde concluiu o equivalente ao 12º ano em 1997. Posteriormente, foi admitida na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do Professor Gareguin Aroutiounian, tendo concluído, em 2001, a Licenciatura em Violino.
Frequentou cursos de aperfeiçoamento com Tibor Varga, Gerardo Ribeiro, Ifrah Niemann e Michael Bochmann.
Foi membro da Orquestra Sinfónica Juvenil, com a qual se apresentou a solo e da qual foi também Concertino.
É membro fundador do Quarteto de Cordas “São Roque”, com o qual tem actuado por todo o país e no estrangeiro, destacando-se digressões ao Luxemburgo, Andorra, Inglaterra, Irlanda (única representação Portuguesa no certame Cork, capital Europeia da Cultura, 2005), México (Festival Internacional de Morélia, com digressão dedicada à música Portuguesa). Com este agrupamento, apresentou-se por diversas ocasiões em concertos transmitidos para a Antena 2, nomeadamente o recital comemorativo do Centenário de Nascimento de Dimitri Schostakovich, Armando José Fernandes e a obra integral para qurteto de cordas de Fernado Lopes-Graça. Gravou para a etiqueta Numérica um CD com a obra integral para quarteto de cordas de José Vianna da Motta.
Realizou um estágio de aperfeiçoamento em Pedagogia Suzuki, em Chicago, sob orientação da conceituada Professora Betty Haag.
Piano

Diana Botelho Vieira

Diana Botelho Vieira nasceu na ilha de São Miguel, Açores, em 1984. Tem-se apresentado em recitais de piano e de música de câmara em Portugal, Espanha, França, Estados Unidos da América e América do Sul. Laureada no Prémio Jovens Músicos - RDP Antena 2 na categoria Piano, é também detentora do Búzio Revelação (Expresso das 9) e Prémio Cultura (Correio dos Açores).
Apresentou-se como solista com a Orquestra de Câmara do Conservatório Regional de Ponta Delgada, Orquestra Académica Metropolitana de Lisboa (Dias da Música do CCB), Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras sob a direcção dos maestros Yuri Pankiv, Jean-Marc Burfin e Nikolay Lalov, e tocará ainda em 2021 com a Orquestra Clássica do Centro e a Sinfonietta de Ponta Delgada. Tocou em festivais como o Summer Institute for Contemporary Performance Practice (Boston), PianoFest (Chicago), Embassy Series – Uniting People Through Musical Diplomacy (Washington/DC), Meadowmount School of Music (Nova Iorque), Festival Ibérico de Badajoz, Dias da Música no CCB, Temporada Artística dos Açores, e Festival Internacional de Música da Primavera em Viseu. Estreou obras para piano solo, piano e orquestra e de música de câmara de compositores como Brett Madsen, Parisa Sabet, Sérgio Azevedo e Inês Badalo. Foi protagonista no documentário "Bravo" (RTP) e participou na série documental da RTP "Portugueses pelo mundo: Chicago". Lançou em Outubro de 2018 o seu primeiro CD, "A toque de caixa", editado pelo mpmp, com música para piano para crianças de Sérgio Azevedo, e gravou recentemente mais dois CDs a serem lançados no final de 2021.
Estudou piano com Irina Semënova no Conservatório Regional de Ponta Delgada, com Alexei Erëmine na Academia Nacional Superior de Orquestra – Metropolitana (Licenciatura) e com Ludmila Lazar no Chicago College of Performing Arts - Roosevelt University (Mestrado em Piano Performance). Possui também o Mestrado em Ensino de Música, realizado sob a orientação de Miguel Henriques e Jorge Moyano, na Escola Superior de Música de Lisboa. Em paralelo com a actividade de concertista lecciona piano na Academia de Música de Lisboa.

Website: www.dianabotelhovieira.com

Piano

Duarte Pereira Martins

Licenciado em piano pela Escola Superior de Música de Lisboa, na classe de Jorge Moyano, concluiu o curso do Conservatório Nacional com a classificação máxima, tendo aí estudado com Hélder Entrudo e Carla Seixas. Fundou o MPMP, dirigindo a sua temporada de eventos durante as três primeiras temporadas, mantendo agora o cargo de coordenador de projectos e produção.
É director artístico de inéditas gravações integrais das sonatas de Carlos Seixas (por José Carlos Araújo) e João Domingos Bomtempo (por Philippe Marques). É director executivo da Glosas, revista de música, desde 2017.
Premiado em diversos concursos de piano, apresenta-se regularmente em concerto por todo o país e estrangeiro, em variadas formações, com destaque para a divulgação do património musical português. Realizou já gravações para a RTP/Antena 2, para a TV Brasil (com Philippe Marques, no âmbito de uma digressão realizada em 2014) e para a etiqueta do MPMP. Apresenta regularmente estreias de obras de compositores contemporâneos, como foram os casos de João Pedro Oliveira, Sérgio Azevedo, Amílcar Vasques-Dias, Edward Ayres d’Abreu ou Hugo Ribeiro.
É membro fundador do KVAR Ensemble, projecto em que trabalha obras maiores do repertório camerístico para cordas e piano. Frequentou o curso de Engenharia Física Tecnológica do Instituto Superior Técnico e termina, actualmente, o mestrado em Empreendedorismo e Estudos da Cultura do ISCTE. Leccionou em várias escolas, destacando-se o Conservatório de Cascais e Oeiras e a Escola Artística de Música do Conservatório Nacional.
Violino e Classe de Conjunto

Filipa Poêjo

Filipa Poêjo nasceu em Lisboa, em 1970.
Iniciou os seus estudos musicais aos 9 anos na Fundação Musical dos Amigos das Crianças, tendo terminado o Curso Geral de Violino na classe da Professora Leonor Prado.
Posteriormente, ingressou na Escola Superior de Música de Lisboa, nas classes dos professores Khatchatour Ahmirkhanian (Violino) e Olga Prats (Música de Câmara), tendo concluído o Curso Superior de Violino em 1994.
No ano seguinte, foi admitida na classe do Professor Gerardo Ribeiro na Northwestern University em Chicago, onde foi bolseira da Secretaria de Estado da Cultura, do Instituto Português da Juventude e da Northwestern University School of Music. Nesta instituição, foi aluna do famoso Quarteto Vermeer e participou em masterclasses doBorodin String Quartet e do Ying String Quartet. Obtém o Master of Music em 1997.
Em 1996, frequentou um Curso de Aperfeiçoamento em Pedagogia Suzuki com Betty Haag, uma das mais proeminentes pedagogas de violino da actualidade, tendo obtido o Certificado Internacional Suzuki. A convite desta pedagoga, com quem ainda hoje mantém uma estreita colaboração profissional, leccionou no Talent Music Institute of Des Plaines, em Chicago. É membro da American String Teachers Association.
Foi membro efectivo da Orquestra Sinfónica Juvenil (1987-1993), com a qual se apresentou como solista. Integrou diversas orquestras de jovens internacionais, incluindo a Orchestre des Jeunes de la Mediterrannée e a Jugendsinfonieorchester Nordrhein – Westfalen, realizando concertos em países como Alemanha, China, Egipto, Espanha, EUA, França, Grécia, Israel, Itália, e Turquia. Participou em diversos Festivais de Música, sendo de destacar o Festival Internacional de Spoleto (Itália), integrando a Orquesta Sinfónica di Festival dei Due Mondi (1996).
Foi músico convidado da Orquestra Sinfónica da RDP, Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos, Nova Filarmonia Portuguesa, Capela Real, Orquestra Régie Sinfonia e Orquestra Metropolitana de Lisboa. Colabora regularmente com a Orquestra Gulbenkian e a Orquestra Sinfónica Portuguesa.
Enquanto membro fundador do Quarteto Lusíada, gravou dois CD’s – Syllabas(Strauss) e “Ó Meu Menino Jesus” (EMI – Valentim de Carvalho) – tendo realizado inúmeros Concertos por todo o país.
Em 1998, juntamente com Rui Fernandes, fundou a Orquestra Os Violinhos, assumindo a sua Direcção Musical. Com este agrupamento, tem efectuado centenas de concertos por todo o país e no estrangeiro, destacando-se digressões a Alemanha, Áustria, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Itália, Noruega, República Checa, Suécia e Suíça.
Tem realizado Masterclasses em diversas escolas e conservatórios e, de 2004 a 2006, colaborou com a Escola Portuguesa de Moçambique em Maputo, efectuando regularmente masterclasses e concertos em Moçambique e na África do Sul.
É Professora de Violino na Academia de Música de Lisboa desde a sua fundação, tendo os seus alunos vencido os principais Concursos de Violino, nacionais e internacionais, realizados em Portugal, obtendo um total de mais de trinta prémios.
Clarinete

Iva Barbosa

Uma das clarinetistas portuguesas mais destacadas, Iva Barbosa é detentora dos mais importantes prémios nacionais, bem como de várias distinções internacionais. Iniciou os estudos musicais com o seu pai, prosseguindo-os no Conservatório de Música do Porto e na Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo do Porto nas classes dos Professores Adam Wierzba e António Saiote, respetivamente. Foi premiada em mais de uma dezena de concursos, dos quais se destacam o 1.º Prémio no XII Concurso de Interpretação do Estoril/Prémio El Corte Inglés, o 1.º Prémio no Concurso Jovens Músicos/RDP, 1.º Prémio no I Concurso Internacional de Clarinete do Porto, o 1.º Prémio no Concurso Jovem Revelação do Rotary International, o 2.º Prémio no Concurso Internacional Young Artist Competition (Utah, E.U.A.), o 2.º Prémio no Concurso Internacional Villa de Montroy (Valência, Espanha) e o Prémio Maestro Silva Pereira. Foi, ainda, semifinalista no Concurso Internacional Primavera de Praga. Tocou como solista com várias orquestras, entre as quais a Orquestra Nacional do Porto, a Orquestra Académica do Porto, a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra da Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, a Orquestra Metropolitana de Lisboa, a Orquestra Filarmonia das Beiras e a Orquestra Sinfónica Portuguesa. Tem-se apresentado a solo, com orquestra e em música de câmara em todo o país, bem como em Itália, Bélgica, Espanha, Japão, China e Canadá. Paralelamente à sua atividade artística, tem desenvolvido uma intensa experiência pedagógica. Lecionou na Escola Profissional de Arte de Mirandela, na Academia de Música de Costa Cabral, no Conservatório de Música das Caldas da Rainha, na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, no Conservatório de Música do Porto, na Escola Profissional Metropolitana, no Instituto Piaget e na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto. Atualmente é 1º Solista da Orquestra Gulbenkian e membro do Quarteto Vintage.

Guitarra e Classe de Conjunto

João Henriques

João Henriques nasceu em 1984 na Ilha da Madeira, Portugal. Os seus estudos musicais iniciaram-se aos 6 anos de idade estudando violoncelo com o seu pai. Aos 12 anos começou os estudos de guitarra clássica tendo como professores principais Daniel Marchán e Pedro Zamora. No decorrer dos anos, João Henriques estudo com alguns dos maiores nomes da guitarra mundial, tais como, arlo Marchione, Joaquín Clerch, Alvaro Pierri, Darko Petrinjak, Marco Socías, Michalis Kontaxakis, Leo Brouwer, Carmen Mª Ros, Costas Cotsiolis, Hubert Käppel, entre outros. No sentido de continuar os seus estudos, mudou-se para Lisboa tendo sido aceite na classe de guitarra do reconhecido concertista Dejan Ivanovic e na classe de música de câmara de Vasco Gouveia, recebendo, mais tarde o Diploma de Licenciatura pela Universidade de Évora em 2008. Entre os anos de 2005 e 2009, João Henriques foi premiado em concursos internacionais, incluindo: 1º Prémio no VI Concurso Internacional de Guitarra de Leiria e 3º Prémio exequo no II Concurso Internacional de Guitarra “Guitarmania” em Almada. Foi também finalista na categoria de solista de nível superior do “Prémio Jovens Músicos” patrocinado pela RDP e Fundação Calouste Gulbenkian – 2005. João Henriques fez a estreia mundial de peças de Nuno Miguel Henriques e como solista tem-se apresentado por diversas salas de concerto em Portugal, Espanha, Bélgica, Holanda, Finlândia, tal como em recitais integrado em agrupamentos de música de câmara com Flauta, Guitarra, Piano, Saxofone e Percussão. Em 2007 participou no CD de comemoração dos 500 anos da Cidade do Funchal intitulado “Veredas da Atlântida”, projecto da autoria das associações Penta e Xarabanda. Em 2010, João Henriques concluiu o Mestrado em Performance no Conservatório de Maastricht sobre a orientação do guitarrista mundialmente conceituado Carlo Marchione. Entre 2009 e 2011, João Henriques lecionou no United World College de Maastricht. Desde 2011, João Henriques leciona no Conservatório de Música – Jaime Chavinha e na Academia de Música de Lisboa.
Guitarra e Classe de Conjunto

João Mascarenhas

João Mascarenhas iniciou os seus estudos musicais na Escola de Música Joly Braga Santos. Estudou guitarra clássica com Verónika Kristófcsák e posteriormente com Paulo Galvão, com o qual terminou o curso básico em 2008. Em 2010 terminou o 8.o grau em guitarra clássica na Academia de Música de Lagos. Em 2013 licenciou-se em música pela Escola Superior de Música de Lisboa. Aí estudou nas classes de guitarra de Piñero Nagy e António Gonçalves, e nas classes de música de câmara de Paulo Pacheco e Nuno Inácio. Prosseguiu estudos no Mestrado em Interpretação da Universidade de Évora, sob a orientação de Dejan Ivanović e Vanda de Sá, tendo terminado o curso em 2017. No âmbito do mestrado estreou a Sonata per Chitarra de Pedro Louzeiro.

Ao longo do seu percurso académico apresentou-se ao vivo no Convento de São José de Lagoa, Igreja da Fortaleza de Sagres – “Ciclo de Concertos de Guitarra da Academia de Música de Lagos” –, na Escola Superior de Música, no Museu de São Roque – “Música em São Roque” – entre outros.

Foi reconhecido com uma Menção honrosa no IX Concurso de guitarra de S. João da Madeira (2013), Prémio Melhor Interpretação Peça Portuguesa no 14o Concurso Internacional de Música Cidade do Fundão (2013), 3o Prémio no 15o Concurso Internacional de Música Cidade do Fundão (2014), 2o Prémio ex aequo III Concurso Internacional de Guitarra Clássica da Golegã (2015), 3o Prémio ex aequo XI Concurso Internacional de Guitarra de Leiria (2015) e o 2o Prémio no III Concurso de Guitarra Cidade de Guimarães (2016).

Tocou ainda em formações de música de câmara variadas, incluindo agrupamentos com canto, recitador/ narrador, flauta, violino, entre outros. Integrou o Grupo de Música Contemporânea da Orquestra Sinfónica Juvenil e a Orquestra de Guitarras no II Estágio Internacional de Cordas Dedilhadas de Braga, sob a direcção de Leo Brouwer (2018). Foi aluno particular de Júlio Guerreiro e participou em masterclasses e cursos de aperfeiçoamento interpretativo com Hubert Käppel, Graham Anthony Devine, Laura Young, Pedro Rodrigues, Marcin Dylla, Fábio Zanon, Margarita Escarpa, Michalis Kontaxakis, Roberto Aussel, Rafael Aguirre, Roland Dyens, Carlo Marchione, Aniello Desiderio, Costas Cotsiolis, Tilman Hoppstock, Zoran Dukić, Ricardo Gallén, Joaquín Clerch, Leo Brouwer, Olga Prats, entre outros.

Iniciou a carreira de professor em 2011 e trabalhou em várias escolas de música e conservatórios do Algarve e em Lisboa, como por exemplo na Escola Profissional Metropolitana e no Conservatório de Música da Metropolitana.

É atualmente professor e Coordenador da Classe de Guitarra, Flauta e Clarinete na Academia de Música de Lisboa, lecionando as disciplinas de Guitarra Clássica e Classe de Conjunto.

Paralelamente encontra-se a terminar o mestrado em ensino de música na Universidade de Évora, sob a orientação de Dejan Ivanović. No âmbito deste mestrado realizou o seu estágio na Escola Artística de Música do Conservatório Nacional, sob a orientação de Júlio Guerreiro.

Contrabaixo

Margarida Afonso

Nasceu em 1991, é natural de Bairro, V. N. de Famalicão onde iniciou os seus estudos musicais aos 8 anos de idade na Fundação Castro Alves, na classe de piano da Prof. Alexandrina Pinheiro. Em 2003 ingressou na Artave na classe de contrabaixo do Prof. Alexandre Samardjiev, e em 2009 terminou o curso secundário com 19 valores a contrabaixo. Nesse mesmo ano ingressa na classe de contrabaixo do Prof. Adriano Aguiar na Academia Nacional Superior de Orquestra. Frequentou Masterclasses com os professores Adriano Aguiar, Florian Pertzborn, Yana Tathadjieva, Vladimir Kouznetsov, Massimo Giorgi, Alejandro Erlich Oliva e Rinat Ibragimov. Em música de câmara trabalhou com os professores Paul Wakabayashi e Adriano Aguiar com as formações quinteto de cordas e quarteto de contrabaixos. Em 2011 venceu o concurso interno da Academia, tocando a solo, nesse mesmo ano, com a Orquestra Académica Metropolitana o concerto de S. Koussevitzky. Concluiu, em 2012, a licenciatura na Academia Nacional Superior de Orquestra com 19 valores a instrumento. Já colaborou com a Orquestra Gulbenkian, Orquestra do Algarve, Orquestra Cascais Oeiras e Orquestra Sinfónica Portuguesa, onde trabalhou com os maestros: Michael Zilm, Cesário Costa, Pedro Neves, Jean Marc Brufin, Nir Kabareti, Joana Carneiro, David Afkham, Laurence Foster, Evgeny Bushkov, Emilio Pomàrico, Pedro Neves, entre outros. É reforço frequente da Orquestra Metropolitana de Lisboa. Entre os anos 2012 e 2015 foi professora da classe de contrabaixo no CAORG – Consevatório de Música Jaime Chavinha. Atualmente faz parte do corpo docente do projecto Orquestra Geração, do Conservatório da Metropolitana e da Academia de Música de Lisboa, onde leciona as disciplinas de contrabaixo e classes de conjunto. É membro da Camerata Alma Mater.
Flauta

Marina Camponês

Marina Camponês iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Filarmónica 25Julho de Sta Margarida do Arrabal aos 12 anos de idade. Mais tarde é admitida no Orfeão de Leiria na classe de João Pedro Fonseca onde foi laureada por diversas vezes no concurso “O Melhor Aluno”.
Posteriormente trabalhou em master classes com Vasco Gouveia, Sandra Pina, Averil Williams, Olavo Barros, Nuno Inácio, Sophie Pérrier, Trevor Wye, Claudio Arimany, William Bennett, Jacques Zoon, Robert Winn, Vicens Prats, entre outros.
Colabora regularmente com a Orquestra de Câmara Portuguesa, Sinfonietta de Lisboa, Camerata Amicis, Orquestra Metropolitana de Lisboa e Orquestra Gulbenkian.
É membro do ensemble de música contemporânea Lisbon Ensemble 20.21 com o qual participou no Festival Musica Viva, na temporada 2009/2010 da Fundação C.Gulbenkian, temporada de música dos Açores 2011 e festivais de música em Viseu e Salamanca. Apresentou-se em público com diversas formações de música de câmara e a solo em Lisboa, Porto e um pouco por todo o pais, onde se destacam o recital com o pianista Francisco Sassetti na Casa da Música do Porto e os recitais com a cravista Joana Bagulho no Festival CisterMusica 2011 e no programa Concerto Aberto da programação da Antena 2 em 2012, transmitido em directo.
Concluiu o bacharelato na Escola Superior de Música de Lisboa no ano de 2007 na classe de flauta de Anthony Pringsheim e música de câmara nas classes de Olga Prats e Nuno Inácio. Concluiu em 2009 a licenciatura na Academia Nacional Superior de Orquestra na Classe de Flauta de Nuno Inácio, tendo como nota de exame final 19 valores.
Concluiu o mestrado em Ensino da Música na Academia Nacional Superior de Orquestra em parceria com a Universidade Lusíada tendo como nota de exame final de flauta transversal 19 valores. Frequentou em 2015/2016 a pós-graduação em flauta transversal da Escola Superior de Música da Catalunha (ESMUC) na classe do professor Vicens Prats, solista da Orquestra de Paris.
Lecciona flauta transversal e música de câmara na Escola Profissional da Metropoliatana , Escola de Música Nossa Senhora do Cabo e Academia de Música de Lisboa.
Foi professora convidada no projecto OCP2 e JOP organizado pela Orquestra de Câmara Portuguesa em 2013 e 2014, no Estágio Nacional de Orquestra de Sopros de Portel de 2011 a 2014 e 2017, nas Jornadas de Música de Mafra 2015, no Ciclo de Masterclasses EPABI 2016 (Covilhã) e no I Ciclo de Masterclasses no Orfeão de Leiria (2017).
Conta com alunos laureados nos concursos nacionais Prémio Bomtempo, Paços Premium, Concurso de Flauta da EMNSC e Concurso Cultivarte.
Foi laureada com o terceiro prémio no 18o Concurso de Interpretação do Estoril (2016). Obteve o primeiro prémio no concurso ‘’Prémio Jovens Músicos 2010’’ na categoria de flauta transversal. Apresentou-se como solista com a Orquestra Gulbenkian e Orquestra Metropolitana de Lisboa.
Violino

Miguel Vasconcelos

Miguel Vasconcelos foi aluno da Academia de Música de Lisboa onde estudou violino com a Professora Filipa Poêjo.
Durante os estudos na Academia de Música de Lisboa foi membro da Orquestra Os Violinhos tendo efectuado inúmeros concertos por todo o país e no estrangeiro, destacando-se digressões a Alemanha, Áustria, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Noruega, República Checa, Suécia e Suíça.
Em 2010 ingressou na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do Professor António Anjos tendo estudado posteriormente com o Professor Gareguin Aroutiounian com o qual acabou a Licenciatura em 2013. Foi aluno de Música de Câmara da classe da Professora Alexandra Mendes e da Professora Irene Lima. Em 2016 terminou o Mestrado em Ensino da Música na mesma instituição sob orientação do Professor Tiago Neto.
Em 2009, foi admitido como membro efectivo da Orquestra Sinfónica Juvenil. É desde 2011 membro da orquestra Concerto Moderno.
Participou em festivais nacionais e internacionais como: Cursos Internacionais de Música de Guimarães (2010), Viana do Castelo International Music Festival (2006-2008). Em 2015 e 2016 integrou a Orchestre des Jeunes de la Mediterrannée inserida no Festival d’Aix-en-Provence. Em 2017 participou no Estágio de Jovens da Orquestra Gulbenkian (EGO) .
Piano

Marta Manuel

Nasceu em 1979, em Oeiras, tendo iniciado os seus estudos musicais aos 8 anos com a Professora Isabel Baptista e, posteriormente, com a Professora Isabel Gonçalves, na Escola de Música Crescendo.

Em 1997 ingressou no Curso Complementar de Piano no Conservatório Nacional, onde estudou com Miguel Borges Coelho e terminando na classe de António Hungria Rosa, em 2002. Simultaneamente frequentou o curso de Línguas e Literaturas Modernas na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, licenciando-se em 2001. Em 2008 termina a Licenciatura em Piano para Música de Câmara e Acompanhamento na Academia Nacional Superior de Orquestra, na classe de Alexei Eremine, trabalhando regularmente com Paulo Pacheco, José Manuel Brandão, Ana Tomasik, Ian Mikirtoumov, entre outros.

Em 2021 finaliza o Mestrado em Ensino da Música, no Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares de Almada do Instituto Piaget, com investigação realizada na área da adaptação das didáticas tendo em conta o desenvolvimento cognitivo e musical.

Apresentou-se em quinteto de sopros com piano na Festa da Música dedicada a Beethoven, no Centro Cultural de Belém, em 2005, e participou na temporada de música «Ciclo de Sons» em Portimão, num programa dedicado a Voz, Clarinete e Piano, em 2007. Nesse mesmo ano, apresentou-se em recital com o soprano Maria João Sousa no Museu do Realismo em Vila Franca de Xira e em transmissão directa para a Antena 2, no programa «Concerto Aberto». Enquanto músico convidado, colaborou com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direcção do maestro Michael Zilm, e com a Orquestra do Algarve e Orquestra das Beiras, dirigidas pelo maestro Álvaro Cassuto. Em 2009, integrou o ciclo de concertos Schubertíades no Palácio Fronteira e para a Antena 2, no programa «Concerto Aberto». Até 2014 apresentou-se regularmente em recital com o soprano Maria João Sousa, com repertórios de diversas épocas e estilos.

Iniciou a sua actividade pedagógica em 1997 na escola Crescendo Centro Musical do Estoril, onde ainda lecciona. É professora de Piano na Academia de Música de Lisboa desde 2005, tendo sido acompanhadora das classes de Coro, Clarinete e Violoncelo até 2014.

Formação Musical

Paula Coimbra

É professora profissionalizada de Formação Musical, sendo licenciada em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa e tendo concluído o Curso Geral de Canto no Conservatório de Música do Porto e o Curso Geral de Composição no Conservatório Nacional de Lisboa.
Leccionou as disciplinas de Formação Musical e Coro em várias escolas de ensino especializado de música (Escola de Música Leal da Câmara, Fundação Musical dos Amigos das Crianças, Academia de Amadores de Música, Escola Metropolitana de Música de Lisboa), e é docente na Academia de Música de Lisboa desde a sua fundação.
Frequentou diversos Cursos de Direcção Coral tendo sido aluna de Vassil Arnaodov, Edgar Saramago, Anton de Beer, António Lourenço, Paulo Lourenço, Christian Grube e José Robert. Trabalhou como assistente do maestro Francisco d´Orey na direcção do Coral dos Estudantes de Letras da Universidade de Coimbra, e como assistente do maestro José Robert na direcção do Coro da Universidade de Lisboa.
Iniciou a sua actividade de directora coral em 1985 com um dos coros da Biblioteca Operária Oeirense, e posteriormente, dirigiu o Grupo Coral de Queluz entre 1992 e 2000. Fundou dois coros na Marinha Grande (o Coro do Sport Operário Marinhense e o Coral em Canto), o Coro Cantapiano (Coro do Casa Pia Atlético Clube), o Coro da Relação de Lisboa (CORELIS), e o Grupo Coral da Portela. Fundou igualmente quatro coros infantis: o Coro de Pequenos Cantores da Academia de Amadores de Música, o Coro de Pequenos Cantores da Escola Metropolitana de Música de Lisboa, o Coro de Pequenos Cantores da Academia de Música de Lisboa e o Coro de Pequenos Cantores da Portela.
Gravou o cd Acordes e Acordãos com o Coro CORELIS, e um cd com o Coro de Pequenos Cantores da Academia de Música de Lisboa (edição da AAM) que inclui mais de 30 canções de compositores portugueses destinadas a coros juvenis, sendo que algumas delas lhe foram especificamente dedicadas: LOIK. Em 2014 colaborou na preparação e edição de um livro e de um DVD sobre a actividade dos dois coros que dirigiu entre 2002 e 2015: Grupo Coral da Portela – Os primeiros 12 anos de canções e a criação do coro de Pequenos Cantores.
Formação Musical, Canto e Coro

Sandra Coutinho

Sandra Cristina Xavier Coutinho (n. 1993, Lisboa) frequentou o Instituto Gregoriano de Lisboa, no curso de Canto Gregoriano, tendo estudado canto com Elsa Cortez e piano com Eurico Rosado.
Em 2011, ingressou na Escola Superior de Música de Lisboa no curso de Direção Coral e Formação Musical onde estuda com Cristina Brito da Cruz, entre outros.
Nesse ano, fez um curso intensivo em Educação Musical no Zoltán Kodály Pedagogical Institute of Music of the Liszt Ferenc Academy of Music, em Kecskemét – Hungria.
Seguindo o conceito de Kodály, participou num projeto que visa desenvolver capacidades musicais em alunos do ensino pré-escolar.
Em 2012, frequentou o Zoltán Kodály Pedagogical Institute of Music of the Liszt Ferenc Academy of Music em Choral Conducting and Music Education, estudando com os professores Árpád Tóth, Zoltán Pád, Péter Erdei, Zsuzsanna Kontra, Anikó Novák, Renáta Darázs e Dr. László Nemes.
Entre 2014 e 2016 deu aulas de música na Escola de Música Crescendo Estoril, no Clube Millennium BCP e na Escola Alemã de Lisboa e desde Outubro de 2015 leciona a disciplina de Formação Musical na Academia de Amadores de Música.
Foi professora da classe de Coro na Academia de Música de Lisboa entre Outubro de 2013 e Julho de 2014 e desde Setembro de 2015 que é professora da classe de Formação Musical.
Violoncelo e Classe de Conjunto

Tatiana Leonor

Tatiana Leonor (1987- Covilhã) iniciou os seus estudos musicais em 1999 na EPABI onde estudou com Miguel Matias e Filipe Quaresma.
Frequentou masterclass com Paulo Gaio Lima, Miguel Rocha, Jian Wang, Xavier Guanepain, Roman Gariaud, Popov, Oliver Parr e violoncelo barroco com Etziar Atuxta, Leonard Luckert e Elisa Joglar. Como instrumentista de orquestra destacam-se a Semana Internacional do Luxemburgo, o estágio APROARTE (tutti e chefe de naipe) sob a direção de Ernest Schell e Young Franco-German Philarmonics (chefe de naipe) em Bayreuth – Alemanha. Trabalhou com a Orquestra Barroca de Salamanca e International Orkest Historische Muziek no Conservatório Superior de Bruxelas sob direcção de Sigiswald Kuijken. Obteve o primeiro prémio de Música de Câmara no Prémio Jovens Músicos (2005).
Realizou recitais a solo e integrada em grupos de música de câmara ( duo com piano, quarteto de violoncelos, quarteto e quinteto com piano, quarteto e octeto de cordas). Foi membro da Orquestra das Beiras (2005-2010) e da Orquestra Clássica de Espinho sob a direção do maestro Pedro Neves (2006-2016).
Frequentou vários cursos de formação de professores de instrumento de cordas, nomeadamente com Maria de Macedo, K. & D. Blackwell, Eulália Sabiró e Claudio Forcada.
Em 2008 concluiu a licenciatura na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo na classe do professor Jed Barahal e, em 2011, o Mestrado em Ensino de Música na Universidade de Aveiro.
Os seus alunos foram premiados em vários concursos de violoncelo em Portugal.
Leccionou na Escola de Música Óscar da Silva, Academia de Método Suzuki – A Pauta e na Academia de Música de Espinho.
Violino

Vítor Vieira

É atualmente membro do Quarteto de Cordas de Matosinhos (QCM) e professor na Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo do Porto. Tem vindo a desenvolver projectos inéditos em Portugal, como integrais do grande repertório para quarteto (Mozart, Mendelssohn e Schumann, estando em curso as de Haydn, Beethoven e Shostakovich) e também obras dos mais importantes compositores portugueses. O QCM foi seleccionado como um dos “Rising Stars” da European Concert Hall Organization e como tal apresentou-se em algumas das principais salas de concerto europeias, como o Barbican em Londres, o Concertgebouw em Amsterdão e o Musikverein em Viena, numa tournée de 16 concertos.
Vitor Vieira estudou com os professores Aníbal Lima na Academia Nacional Superior de Orquestra e Gerardo Ribeiro na Northwestern University, do qual foi também assistente. Trabalhou em master classes com professores como Alexei Mikhline, Sergey Kravchenko, Eduard Wulfson e Mauricio Fuchs. Estudou também no Instituto Internacional de Música de Câmara de Madrid (Escola Superior de Música Rainha Sofia) com Rainer Schmidt, violinista do Quarteto Hagen. Participou em master-classes com violinistas de vários destacados quartetos, como Gunter Pichler (Quarteto Alban Berg), Walter Levin (Quarteto Lasalle), Ida Beiler (Quarteto Melos), Philip Setzer (Quarteto Emerson) e Mathias Tacke (Quarteto Vermeer). Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian.
Obteve o 1º Prémio de Violino em nível médio (2001) e superior (2003) no concurso Prémio Jovens Músicos da RDP. Foi também vencedor do concurso para cordas Samuel Thaviu, em Evanston, e da Concerto Competition da Northwestern University (2005). Apresentou-se a solo em algumas das principais salas do país, nomeadamente os grandes auditórios da Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural de Belém, Culturgest e Casa da Música com as Orquestras Gulbenkian, Nacional do Porto e Académica Metropolitana. Apresentou-se também com a Northwestern University Symphony Orchestra no Pick-Staiger Concert Hall, em Evanston. Como membro do Quarteto de Cordas Tacet, obteve o 1º prémio de música de câmara do Prémio Jovens Músicos em 2004.
É professor de violino na Academia de Música de Lisboa desde Setembro de 2015.